sexta-feira, 14 de junho de 2024

Agropecuária

Avaliação participativa da qualidade do solo contribui na sustentabilidade da agropecuária

Tags: avaliação participativa, produção agrícola, solo, sustentabilidade

A necessidade de desenvolver sistemas de manejo que promovam o equilíbrio entre a qualidade do solo e a produção de alimentos é cada vez mais desafiadora. Neste aspecto, a extensão rural tem um papel fundamental ao aplicar o conceito de qualidade do solo de forma participativa, com o intuito de garantir a sustentabilidade da produção agropecuária.

Este conceito está relacionado à ideia de que a gestão e conservação do solo deve ser feita de forma que envolva todos os interessados no uso do solo, incluindo agricultores, extensionistas, técnicos, comunidade, entre outros atores.

A abordagem participativa busca criar um diálogo aberto e transparente entre os participantes, reconhecendo e valorizando seus conhecimentos e experiências para promover a tomada de decisão conjunta. O objetivo é desenvolver práticas e estratégias de manejo do solo que sejam socialmente justas, ambientalmente competitivas e economicamente viáveis.

Entretanto, a intensificação da produção agrícola, em especial a monocultura, o uso excessivo de fertilizantes e pesticidas, o desmatamento e as mudanças climáticas têm causado  degradação do solo e da água, , o que pode levar à diminuição da produtividade agrícola, à escassez hídrica, à perda da biodiversidade e à emissão de gases de efeito estufa.

É aí que entra  o importante trabalho desenvolvido pela extensão rural, que tem por objetivo comunicar ao produtor rural os conhecimentos gerados pela pesquisa. Isto é, levar informações, tecnologias e técnicas atualizadas aos agricultores, pecuaristas e demais membros da comunidade rural, a fim de que possam aplicá-las em suas atividades e melhorar sua produção e renda.

Para minimizar os problemas relacionados ao solo paranaense, como a erosão, por exemplo, extensionistas têm abordado a relevância da adoção de práticas agrícolas sustentáveis, como a cobertura do solo, a formação de palhadas, a rotação de culturas e o não revolvimento do solo.

IDR-Paraná

Para isso, os produtores rurais do estado do Paraná vêm participando de oficinas sobre a avaliação participativa da qualidade do solo, uma metodologia utilizada no estado de Santa Catarina, conhecida como  “Avaliação participativa da qualidade do Solo em Sistema Plantio Direto de Hortaliças” (SPDH), desenvolvida por professores e pesquisadores da UFSC, Epagri e UDESC (Comin et al., 2020. Guia prático de avaliação participativa da qualidade do solo no Sistema Plantio Direto de Hortaliças, Florianópolis: UFSC, 18 p.) Essa metodologia, apesar de ser nominada para Hortaliças, pode ser aplicada em todos os sistemas produtivos agrícolas com o objetivo de verificar os efeitos positivos e negativos das práticas de manejo na sustentabilidade dos agroecossistemas.

O extensionista Júlio Carlos Bitencourt Veiga Silva, especialista e assessor da área de Agroecologia do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), explica que esse trabalho reúne agricultores e técnicos nas oficinas que avaliam e pontuam os indicadores de qualidade do solo, como a estrutura, a compactação, a erosão, os microrganismos, a matéria orgânica, a profundidade de raiz, a retenção de água e a cobertura.  “Existe uma tabela com características pré-determinadas para cada um dos indicadores com pontuação de zero a dez”, diz ele.

Júlio Carlos conta que as pontuações são disponibilizadas num gráfico radar, em que a imagem construída facilmente demonstra quais aspectos contribuíram para a condição da qualidade do solo avaliada. “Cada um dos participantes emite uma pontuação para cada indicador. Ao final da dinâmica, debatemos quais as práticas de manejo necessitamos implementar na referida região para obtermos melhorias no solo, para evitar  erosão, estresse hídrico, poluição da água, indisponibilidade de nutrientes entre outros tipos de degradação”, explica.

Foto: Júlio Carlos Bitencourt Veiga (IDR-PR)

“Hoje, temos uma porcentagem boa de produtores que aderiram a práticas como a rotação de cultura e formação de palhadas, mas precisamos avançar, pois ainda temos muitos problemas com erosão”, afirma Júlio Carlos.

A erosão é um dos um dos processos  que vem sendo estudado pela Rede Paranaense de Agropesquisa, em seis mesorregiões. As estações de estudo apresentam  megaparcelas com e sem terraço,  instaladas em áreas rurais de sete municípios. Assim é possível obter informações hidrossedimentológicas e avaliar  como as boas práticas no manejo do solo proporcionam ganhos financeiros, ambientais e sociais não só aos produtores, mas a toda a sociedade.

Esse trabalho de longo prazo trará aos técnicos e produtores uma ferramenta robusta e assertiva no estabelecimento do manejo e controle dos processos erosivos.

Entre as técnicas agrícolas mais indicadas para combater a erosão, o Sistema Plantio Direto ganha relevância pelo seu pioneirismo no Paraná.

As práticas agrícolas baseadas nos três princípios básicos do Sistema Plantio Direto – considerado um dos sistemas  agrícolas mais revolucionários do país – envolvem a ausência de revolvimento do solo, cobertura do solo e rotação de culturas. “O que acontece é que a maioria dos agricultores faz a cobertura para um plantio só e acaba revolvendo o solo, isso porque o uso do maquinário no Brasil é cultural, enraizado no comportamento do produtor. Então, a gente não tem uma linearidade”, opina.

Em contrapartida, a avaliação da qualidade do solo com a metodologia participativa tem uma visão sistêmica e não imediatista, ou a curto prazo. Segundo o extensionista,  os produtores que estão há pelo menos 5 anos no SPDH  já constataram que o solo fica muito mais friável, com boa drenagem e com facilidade para o desenvolvimento radicular das culturas.

“Esse trabalho de avaliação participativa da qualidade do solo  vem contribuindo para a construção de soluções mais efetivas e adaptadas às necessidades locais, bem como para o fortalecimento da capacidade dos participantes envolvidos em lidar com os desafios da gestão do solo”, diz Júlio Carlos.

Agricultura familiar adota  manejo do solo com sucesso

O engenheiro agrônomo e extensionista do IDR-Paraná, Felipe Youssef Abboud, vem trabalhando a campo, na região de Irati,  com assistência e extensão rural atendendo agricultores familiares nas áreas de fruticultura, olericultura e, mais recentemente, erva-mate, tanto na produção convencional como na produção orgânica. Dentro dessas áreas, a importância do manejo e conservação de solos e sua aplicabilidade são abordadas, enfatizando que é fundamental em qualquer cadeia produtiva, pois do seu cuidado vai resultar no sucesso de qualquer produção.

Felipe Youssef Abboud (IDR-Paraná)

“Ao tratar de manejo e conservação de solo, precisamos incluir a água que faz parte do sistema (solo, água, planta), pois um solo bem cuidado, resultará em água de qualidade e em quantidade para as culturas, animais e para nós, seres humanos”, afirma Felipe.

No manejo e conservação de solo e água estão relacionadas várias  práticas entre elas manejo adequado da  adubação (tanto mineral quanto orgânica) e dos agroquímicos de modo geral, sistema plantio direto, plantas de cobertura, rotação de culturas, plantio em nível, construção de terraços, e outras práticas se necessário.

“Essas práticas são o foco do nosso trabalho de extensão rural, pois sabemos que um solo mal manejado, não dará o resultado esperado de produção para o agricultor. Além disso, o solo mal manejado vai encarecer o custo produtivo, reduzindo sua rentabilidade, perdendo solo, água e nutrientes, resultando na degradação do mesmo, onde sua recuperação é onerosa e muitas vezes inviável, pois seu uso e aptidão não serão mais os mesmos”, afirma Felipe.

Segundo ele, independente da cultura a ser cultivada (grãos, hortaliças e frutíferas), se o produtor adotar as práticas de manejo e conservação de solo e água preconizadas pela pesquisa, terá sucesso na sua atividade, devido a melhoria da qualidade de solo, o que proporcionará desenvolvimento de plantas saudáveis e menos suscetíveis à incidência de pragas e doenças, atingindo o potencial produtivo esperado com sustentabilidade.

“O solo é um bem finito. Para a natureza formar um centímetro de solo leva algumas centenas de anos, dependemos dele para nossa sobrevivência. O seu cuidado hoje refletirá no futuro das próximas gerações”, ressalta Felipe.

Solo saudável impulsiona o potencial produtivo da cultura

Manejar corretamente o solo é uma das principais práticas para o bom cultivo de grãos. Antes mesmo da semeadura,  é necessário que o solo esteja em condições ideais para impulsionar todo o potencial produtivo da cultura.

Seguindo à risca essa dica, os extensionistas trabalham com as boas práticas e vários manejos, entre elas,  o manejo de solo e água no sistema de produção de grãos. “Todo manejo da produção de grãos acaba refletindo no manejo da conservação de solo”, comenta o engenheiro agrônomo Edvan José Possamai,  coordenador Estadual do Programa Grãos Sustentáveis do IDR-Paraná.

O Índice de Qualidade Participativo do Sistema Plantio Direto (IQP) é uma ferramenta de extrema importância que vem sendo adotada em várias regiões do Estado. Trata-se de uma Metodologia Participativa de Avaliação da Qualidade do Sistema Plantio Direto – Índice de Qualidade Participativo (IQP 3) desenvolvida pela FEBRAPDP e Itaipu Binacional em parceria com IDR-Paraná, Embrapa e outros.

Esse indicador auxilia a técnicos e produtores rurais na tomada de decisão com vistas às práticas agrícolas, que levam à melhoria da qualidade do manejo do solo em áreas sob Sistema Plantio Direto. Na avaliação participativa da qualidade do sistema plantio direto, os envolvidos se questionam quanto à forma de produção, ao uso do solo e ao reflexo de suas ações para o solo cumprir adequadamente suas funções.

“Esse trabalho é uma ferramenta importante que vem sendo aplicada em algumas regiões  do Paraná e auxilia no monitoramento da qualidade do Sistema Plantio Direto. Por meio dos indicadores de qualidade, pode-se verificar os efeitos negativos ou positivos das práticas de manejo na qualidade do solo”, enfatiza. A região de Toledo, por exemplo, é uma das que realizaram avaliações  do Índice de Qualidade Participativo para identificar as boas práticas de manejo de solo implementadas por produtores de grãos paranaenses.

Segundo Possamai, o IDR-Paraná procura fazer um trabalho de referência acerca da conservação do solo.  Agricultores que adotam as boas práticas recomendadas pela pesquisa, contribuem para o sistema de produção sustentável e aumento de produtividade. “Temos enfatizado fortemente a rotação de culturas com espécies que produzem boa palhada para uma melhoria de manejo e conservação do solo”, acrescenta.

Ele tem observado que o produtor tem conseguido manejar a água no sistema de produção, um dos principais elementos para o sistema. “Percebemos, que nas últimas safras, a água tem influenciado no aumento ou redução da produtividade”.

Região dos Campos Gerais é referência em manejo sustentável de solo

Pioneira do sistema plantio direto, a região dos Campos Gerais é uma  referência de altas produtividades. “Cada vez mais a qualidade do solo é fundamental para o estabelecimento da agricultura sustentável, por isso trabalhamos com análises de enzimas justamente para avaliar melhor a qualidade do solo e não somente fazer uma análise clássica”, explica Gabriel Barth, coordenador de pesquisa na área de solos e nutrição de plantas da Fundação ABC, instituição voltada para pesquisa em agricultura e pecuária, mantida pelo Sistema Cooperativista da Capal, Frísia e Castrolanda.

Foto: Gabriel Barth, Fundação ABC

A instituição trabalha também com manejo de dejetos animais e preservação da água e solo. “O dejeto bem manejado pode ser um grande aliado do produtor”, afirma Barth.

Segundo ele, a região dos Campos Gerais é a que mais respeita os três pilares do sistema plantio direto: não revolvimento do solo, palhada na superfície e rotação de culturas. “O fato de estarmos numa região de clima subtropical traz uma possibilidade maior de rotação de cultura e cobertura de solo”, diz Barth. Podemos ter de duas a três safras por ano usando diferentes culturas.

“Trabalhar a agricultura de forma sustentável é nossa linha mestra na Fundação ABC, que há mais de 30 anos vem inovando e investindo  em capacitação técnica de agrônomos, zootecnistas e veterinários para prestar uma boa assistência aos produtores”, pontua Barth, acrescentando que o papel da Fundação ABC é buscar na pesquisa informações para comunicar aos produtores sobre o manejo mais adequado tanto para a pecuária quanto para a agricultura.  “Nossas recomendações são no sentido de oferecer o manejo mais correto e sustentável ao produtor”, finaliza.

Saúde do solo influencia na produção de alimentos

Com aumento da população global até 2050, o mundo terá que elevar a produção de alimentos em 50%, de acordo com estudos da  Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO). Cada vez mais será necessário produzir com sustentabilidade para garantir a saúde do solo como um recurso natural não-renovável.

Dentro deste contexto, deve-se levar em consideração o quanto as boas práticas conservacionistas do solo podem influenciar na produção de alimentos em um futuro próximo.

Para isso, é preciso destacar a importância de iniciativas que ajudem a  avaliar a qualidade do solo, bem como implantar técnica adequada para diferentes culturas agrícolas, pecuárias e florestais, que gerem ganhos significativos na qualidade e conservação do solo, no aumento da produção e renda do produtor.

Fonte: Núcleo Estadual da Ciência do Solo

Banner Conexão Agro Anúncio 728x90

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Coluna Conexão Agro Rádio UEL Sucessão Familiar - Conexão Agro
196 - Planejamento sucessório pode evitar disputas por herança
12/06/2024

Planejamento sucessório é estratégia crucial para prevenir disputas relacionadas à herança de propriedades rurais. Confira na Coluna Conexão Agro desta semana

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário