segunda-feira, 24 de junho de 2024

Agronegócio

Colheita da soja evolui de 17% para 30% na última semana no Paraná

Tags: agronegócio, colheita, produção, safra

A colheita da soja está evoluindo no Paraná. Em uma semana, o volume cresceu de 17% para 30% da área de 5,7 milhões de hectares, mas ainda é inferior à média das últimas safras que, neste período, tinham 50% da área colhida. A análise faz parte do Boletim de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 3 a 9 de março.

O documento, preparado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab), aponta que a produtividade da soja surpreende positivamente. Ainda assim, há preocupação com a incidência de doenças, o que exige mais aplicações de fungicidas caso ocorra, onerando a produção ou elevando a possibilidade de perdas onde o controle não estiver satisfatório.

O avanço da colheita da safra brasileira, combinado com os preços praticados internacionalmente e o dólar momentaneamente desfavorável ao produtor, reflete no valor pago ao sojicultor. Em fevereiro, ficou em R$ 158,14 por saca, na média. É o menor preço desde dezembro de 2021 e representa recuo de 3% em relação a janeiro e de 14% comparativamente a fevereiro de 2022.

Os produtores paranaenses poderão produzir aproximadamente 20,89 milhões de toneladas de soja nesta primeira safra 2022/2023. Esse volume, se confirmado, será o maior da história no Paraná.

Milho e trigo

O boletim analisa ainda a relação de preço entre milho de segunda safra e trigo, que concorrem pelo mesmo espaço no Paraná, ponderando sobre a necessidade de diferença de 70% a favor do trigo para que se torne mais vantajoso, em condições normais. Em fevereiro, a média de preço do trigo ficou em R$ 88,62 a saca, enquanto o milho foi cotado em R$ 75,26, uma diferença de 18%.

O trigo tem perdido espaço no Norte, Noroeste e Oeste do Estado. Para os produtores do Sul e do Sudoeste, a variável mais determinante é o clima. O frio mais intenso impede cultivo massivo da segunda safra de milho, permitindo que o plantio de trigo ganhe área.

Feijão e frutas

Produtores e técnicos de campo estimam queda de produtividade do feijão devido ao excesso de chuvas e baixas temperaturas. No entanto, apesar das condições climáticas adversas, que pode resultar em quebra no volume, a qualidade do feijão colhido é boa.

O boletim informa ainda sobre Dia de Campo da Pitaya, a ser realizado em 16 de março em Abatiá, no Norte Pioneiro. A fruta teve 209,6 toneladas comercializadas nas Ceasa do Paraná durante 2022, com R$ 2,8 milhões em negócios. As origens são, pela ordem, Santa Catarina, São Paulo e Paraná.

Aves

No caso do custo de produção do frango no Paraná, o boletim analisa os dados da Embrapa Suínos e Aves, que identificou queda de 3,61% em janeiro, em comparação com dezembro de 2022.

Na exportação nacional de ovos, o Agrostat Brasil/Mapa levantou que, em janeiro de 2023, atingiu 3.245 toneladas, volume 5,3% menor que no ano anterior. O Paraná é o segundo maior exportador, com venda de 549 toneladas em janeiro.

Leite

A queda atípica na captação de leite desde o final de 2022, devido às adversidades climáticas, sobretudo no Rio Grande do Sul, está elevando os preços. Em fevereiro, o produtor recebeu R$ 2,68 por litro de leite no Paraná, aumento de 4% sobre o mês anterior. No varejo, houve a mesma variação no leite longa vida, enquanto o queijo muçarela aumentou quase 13%.

Fonte: IDR-PR

Banner Conexão Agro Anúncio 728x90

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Coluna 197 - IAT conclui adequações na regulamentação da suinocultura
19/06/2024

Coluna Conexão Agro na UEL FM destaca a proposta de adequações na regulamentação da suinocultura no Paraná preparada pelo IAT e o novo Plano Safra, que será anunciado na próxima semana

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário