sexta-feira, 14 de junho de 2024

Notícias

IDR-PR discute grave doença do milho no Show Rural

Tags: doença, enfezamento, IDR-PR, milho

O Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná) preparou para a 35ª edição do Show Rural uma unidade temática para discutir com os visitantes o enfezamento do milho, doença que vem preocupando produtores e técnicos em todo o Brasil. A bióloga Michele Regina Lopes da Silva, do IDR-PR, explica que este é um problema que atinge tanto a primeira quanto a segunda safra, e já está presente em todas as regiões produtoras de milho.

Infestações esporádicas do enfezamento foram localizadas primeiro no Oeste do Paraná, há cerca de 20 anos. A partir de 2017 aumentaram os relatos de ocorrência e, nas últimas safras, houve a constatação de até 40% de perdas pela doença em algumas lavouras do Estado.

Os especialistas denominam a moléstia de complexo do enfezamento, porque seu ciclo envolve um inseto, a cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis), as bactérias fitoplasma (Candidatus Phytoplasma asteris) e espiroplasma (Spiroplasma kunkelii), também conhecidas como molicutes, e, ainda, o chamado vírus da risca (Maize Rayado Fino Virus).

Não há controle curativo para as doenças do complexo de enfezamento. Por isso, é fundamental escolher cultivares tolerantes à cigarrinha, usar sementes tratadas e adotar ações preventivas culturais integradas com aplicações de inseticidas químicos e biológicos.

A cigarrinha se contamina ao sugar a seiva de plantas infectadas e transmite as bactérias e o vírus quando migra para se alimentar novamente em lavouras sadias. O inseto voa em um raio de 30 quilômetros, mas também é transportado por correntes de ar e pode alcançar distâncias maiores. “Uma vez infectada, a cigarrinha transmite as bactérias e o vírus até o fim de seu ciclo de vida, de aproximadamente três meses”, ressalta a bióloga Michele Silva.

Sintomas e prevenção

Os sintomas são manchas vermelhas ou amarelas nas bordas das folhas ou em formato de riscas (que revela a presença do vírus) e desenvolvimento reduzido da lavoura. Eles aparecem na fase de pendoamento e formação de grãos. Mas o produtor deve estar atento e não se deixar enganar, porque a contaminação ocorre muito antes, até cerca de 35 dias após a emergência das plantas.

“É impossível saber, a olho nu, se a cigarrinha está contaminada com os patógenos. Então, o produtor deve vistoriar as lavouras desde a emergência da planta e, mesmo que observe apenas um inseto por planta, iniciar as pulverizações de inseticidas”, aconselha a pesquisadora.

Michele Silva aponta que a primeira pulverização deve ser feita com inseticida químico — um “choque” para eliminar cigarrinhas que migraram de outras lavouras ou de tigueras (aparecimento de plantas de lavouras antecessoras). Na na sequência, o produtor deve alternar o inseticida químico com produtos biológicos.

É preciso observar, no entanto, que inseticidas biológicos devem ser utilizados a partir do estágio V3, quando a planta já formou o “cartuchinho”. A eficiência desses produtos também está relacionada com a pulverização em dias em que haja boa umidade do ar (mais de 55%) e temperatura ao redor de 30°C, detalha a pesquisadora.

Há no Estado vários inseticidas biológicos à base de fungos (Beauveria bassiana e Isaria fumosorosea) e de bactérias (Pseudomonas chlororaphis e Pseudomonas fluorescens) liberados para o controle da cigarrinha-do-milho pela Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná).

As pulverizações alternadas de inseticidas químicos e biológicos devem ser feitas por aproximadamente 40 dias (estágio V8), o que resulta em cerca de quatro aplicações. “A partir dessa fase, eventuais cigarrinhas observadas são provenientes de lavouras adjacentes, não é falha no controle. Além disso, não causam mais tantos danos”, explica a pesquisadora.

Semeadura simultânea

Outro cuidado recomendado é a semeadura simultânea em uma mesma região para evitar a chamada “ponte verde”, que é a existência de lavouras em diferentes etapas de desenvolvimento e, com isso, oferta de alimentos e estímulo à migração das cigarrinhas e ao reinício do ciclo de contaminação de cultivos.

Todas essas práticas devem ser conjugadas com a rotação de culturas e a eliminação de plantas guaxas do terreno, com a finalidade de interromper o ciclo do vetor e dos patógenos.

Paraná

Na safra 2019-2020, pesquisadores e extensionistas do IDR-Paraná e técnicos da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná) fizeram as primeiras coletas de plantas, adultas e recém-emergidas, cigarrinhas e de milho tiguera em diferentes regiões produtoras do Estado. A análise desse material confirmou a existência do vírus da risca e das bactérias fitoplasma e espiroplasma, conta Michele Silva. Desde então, a instituição vem monitorando a presença do complexo nas lavouras paranaenses.

Desde 2022, o IDR-Paraná avalia a suscetibilidade dos híbridos mais cultivados no Paraná, trabalho conduzido em parceria com a Embrapa Milho e Sorgo e as cooperativas Coamo, Cocamar, Copacol e Integrada. Com ensaios conduzidos em Assaí, Campo Mourão, Cascavel, Floresta, Londrina e Sete Lagoas (MG), já foi possível diferenciar híbridos menos suscetíveis ao enfezamento do milho, segundo a pesquisadora do IDR-Paraná. Os experimentos serão repetidos e resultados mais robustos deverão ser publicados pelo IDR-Paraná neste ano.

Novos estudos

Para 2023 está previsto o início de novos estudos por intermédio da Rede AgroPesquisa (Rede Paranaense de Agropesquisa e Formação Aplicada), com foco no entendimento da cigarrinha — dinâmica populacional, armadilha luminosa para monitoramento e estratégias de manejo com inseticidas químicos e biológicos — e na avaliação da tolerância das cultivares à praga.

Esses projetos envolvem a UEL (Universidade Estadual de Londrina), a Uenp (Universidade Estadual do Norte do Paraná), a UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa), a Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste), a UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) e a UniCesumar.

Show Rural

Realizado pela Coopavel (Cooperativa Agroindustrial de Cascavel), o Show Rural é um dos mais importantes eventos do país dedicados à disseminação de tecnologias para agricultura e pecuária. A edição deste ano começa na próxima segunda-feira (6) e prossegue até 10 de fevereiro, em Cascavel (Oeste do Estado).

SERVIÇO
Enfezamento do milho: estratégias para prevenção e controle

Data: 6 a 10 de fevereiro
Horário: 8h às 17 horas
Local: Espaço do IDR-Paraná no Show Rural – BR 277, km 577, em Cascavel – PR

Banner Conexão Agro Anúncio 728x90

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Coluna Conexão Agro Rádio UEL Sucessão Familiar - Conexão Agro
196 - Planejamento sucessório pode evitar disputas por herança
12/06/2024

Planejamento sucessório é estratégia crucial para prevenir disputas relacionadas à herança de propriedades rurais. Confira na Coluna Conexão Agro desta semana

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário