terça-feira, 23 de abril de 2024

Café, Oportunidades
Arquiteta paulista troca agitação da cidade pela produção de café especial
10/03/2024
Inspiração para outras mulheres no campo
Por: Redação
café especial arquiteta sustentabilidade premiações - conexão agro
Luciana Flores Swan: "Estou sempre em constante aprendizado"
Divulgação
Tags: arquiteta produz café especial

A meta de vida de muitos profissionais é trabalhar arduamente até atingir o sucesso na carreira e a tão sonhada estabilidade financeira que garantirá no futuro uma aposentadoria tranquila. Com mais de 30 anos de experiência projetando e executando obras, enquanto muitos de seus colegas estão desacelerando, a paulista Luciana Flores Martins Swan, segue o caminho inverso. Formada em arquitetura com uma carreira muito bem-sucedida, ela resolveu se desafiar novamente. Em meados de 2020 quando o pai que era produtor rural passou a ficar com a saúde debilitada, ela resolveu arregaçar as mangas e assumir a fazenda de café quase cinquentenária da família.

Em uma área de 55 hectares com diversos cafezais, totalizando cerca de 200 mil pés. O grande problema é que Luciana, até então, além de não ter muito conhecimento sobre o cultivo, nem mesmo tinha o hábito de tomar café. Foi aí que começou a grande virada de chave. Ela decidiu trocar a agitação da capital paulista de mais de 12 milhões de habitantes, pela tranquilidade do pequeno município de Campanha, no Sul de Minas Gerais, na região da Serra da Mantiqueira. Este, com pouco mais de 15 mil moradores e foi aí que começou a mudar o cenário do sítio Toca da Onça.

Primeiro, a arquiteta foi atrás de conhecimento, fez cursos do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) em agricultura sustentável, realizou alguns cursos específicos em cafeicultura, buscou ajuda com os melhores técnicos e profissionais e juntamente com a equipe experiente que há muitos anos ajudaram o seu pai na propriedade, focou em produzir o melhor produto. “Nosso objetivo principal foi melhorar a qualidade dos nossos cafés. Tivemos ajuda também da cooperativa local (Coopervass) que nos auxiliou a avançar nas questões de agricultura regenerativa, oferecendo suporte técnico aliado à busca de conhecimento”, destacou ela.

No primeiro ano de gestão de Luciana, a meta foi organizar a casa. Já no segundo ano, começou a colher os primeiros frutos do trabalho ao ser ganhadora de um importante concurso local de qualidade de cafés especiais. No ano seguinte, novamente esteve entre os vencedores e de lá para cá, não parou mais na busca constante por qualidade. “Os pés de cafés plantados por meu pai eram de qualidade, porém a propriedade precisava de melhoria em alguns processos. Assumi o desafio e resolvi fazer o melhor que eu podia para ter uma produção eficiente, de qualidade e acima de tudo sustentável”, destacou a produtora.

Diferencial da produção

Luciana classifica que o grande diferencial do café produzido no sítio Toca da Onça é a paixão. No manejo, a produtora é bem criteriosa com análise de solo, de folha, e dedica boa parte do seu tempo para a etapa de adubação. Os cuidados seguem com a desbrota e colheita para que realmente possa retirar os frutos no ponto certo de maturação. “É preciso gostar, pois são muitas as variáveis e um descuido com qualquer fator pode comprometer a qualidade até chegar na xícara, portanto, é preciso atenção aos mínimos detalhes”, acrescenta.

Na busca pela certificação da agricultura regenerativa, a propriedade passou e tem passado por algumas mudanças no manejo com foco na produção cada vez mais sustentável. Entre as tecnologias adotadas estão os fertilizantes biotecnológicos que melhoram a nutrição das plantas, a saúde do solo e consequentemente a qualidade da bebida.

Segundo Luciana, essa melhoria só foi possível graças à parceria com algumas empresas do mercado, entre elas a Superbac, pioneira no Brasil em soluções em biotecnologia. “A planta mais saudável precisa de menos defensivos, somado a isso, há benefícios na microfauna de insetos que atrai também mais pássaros. Notamos até mesmo o aparecimento de espécies novas que nunca tínhamos visto. Também contribuímos para a preservação dos cursos d’água, nascentes, ribeirões e lençol freático e tudo isso melhorou com certeza com a saúde do solo”, pontuou.

Dica de uma mulher desbravadora

Como o mês de março é muito importante na valorização feminina, no Dia Internacional da Mulher, é também fundamental estender essa homenagem no campo, desta forma Luciana, que tem inspirados muitas mulheres, reforça alguns pontos importantes que a ajudaram a se destacar e ganhar notoriedade, na produção de café. “Minha experiência de viver muitos anos no mundo da arquitetura mexendo o tempo todo com obras em ambientes masculinos me ajudou muito também quando comecei a tocar a fazenda, nunca tive problemas e nunca sofri preconceitos”, diz ela.

Ainda segundo a produtora, o conselho que daria para aquelas que estão iniciando carreira no agro é se capacitar. “Sem dúvidas buscar informações é primordial para se destacar. A minha segurança veio do meu conhecimento e por isso estou sempre neste constante aprendizado. Há muitas oportunidades no campo para nós mulheres, mas é importante que estejamos preparadas para todos os desafios independentemente da área de atuação”, finaliza.

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Leite - AEN - Conexão Agro
Coluna 189 - crise da bovinocultura leiteira e geleia de pitaya em feira do Canadá
17/04/2024

Governo do Estado e setor privado discutem soluções para a crise da bovinocultura leiteira diante da importação de países do Mercosul. Destaque também para a geleia de pitaya de produtores paranaenses que será apresentada em feira no Canadá.

 

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário