quarta-feira, 24 de abril de 2024

Café, Exportações
Exportações de café do Brasil para a China crescem 278,6% em 2023
16/01/2024
Em 2024, Brasil completa 50 anos de relações diplomáticas e de relações bilaterais com o país asiático
Por: Redação
Café exportação china conexão agro
O Brasil exportou 39,247 milhões de sacas de 60 kg de café em 2023
Imagem de Joe por Pixabay
Tags: Café exportação

O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), divulgou nesta segunda-feira (15), o relatório estatístico das exportações brasileiras de café do ano de 2023.

O Brasil exportou 39,247 milhões de sacas de 60 kg de café em 2023, volume praticamente estável (-0,4%) em relação aos 39,410 milhões aferidos em 2022. Em receita cambial, houve recuo de 13% no comparativo anual, com os embarques tendo rendido US$ 8,041 bilhões em todo o ano passado.

Apesar do crescimento de 18,5%, dos seis primeiros meses do ano safra 2023/24, ante o registrado entre julho e dezembro de 2022, a receita cambial registrou recuo de 2,2%, chegando a US$ 4,488 bilhões, reflexo da volatilidade dos preços do café.

Segundo o presidente do Cecafé, Márcio Ferreira, a continuidade de entraves logísticos interferiu no desempenho, sem essas questões da logística, provavelmente exportaríamos até dois milhões de sacas a mais.

Tipos de café
Ferreira, destacou o aumento de 212% das exportações dos cafés canéforas (conilon + robusta) em 2023.

“Essa safra foi melhor que as duas anteriores, o que ajudou na performance dos embarques. Destaco, em especial, a puxada do conilon e do robusta, cujas remessas ao exterior superaram 4,7 milhões de sacas, o segundo melhor desempenho na história, ficando atrás somente de 2020, quando o Brasil colheu safra recorde”, compara.

O café arábica foi o mais exportado, com 30,818 milhões de sacas, o que corresponde a 78,5% do total.

Principais destinos
Apesar da queda de 24,2% nas aquisições dos cafés do Brasil, os Estados Unidos segue como principal comprador, com 6,067 milhões de sacas, montante que representou 15,5% dos embarques totais.

A Alemanha, com representatividade de 12,8%, adquiriu 5,014 milhões de sacas (-26,7%) e ocupou o segundo lugar no ranking. Na sequência, vêm Itália, com a compra de 3,131 milhões de sacas (-6,8%); Japão, com 2,386 milhões de sacas (+27,4%); e Bélgica, com 2,201 milhões de sacas (-24,6%).

Ásia
O aumento do consumo de café no mercado asiático garantiu o segundo lugar no ranking por continentes, ampliando em 46,2% suas compras frente a 2022.

O diretor geral do Cecafé, Marcos Antonio Matos, ressaltou que no ano de 2024, o Brasil completa 50 anos de relações diplomáticas e de relações bilaterais com a China, país que importou 278,6%, a mais, frente aos 12 meses de 2022. Esse seria um ponto forte para viabilizar o café brasileiro em todas as cafeterias do país asiático.

Países produtores
O Brasil não tem crescido apenas em mercados tradicionais. Quando se analisa as importações realizadas por outros países produtores, observam-se significativos avanços nos embarques realizados para México (+500,7%), Vietnã (+487,7%), o segundo maior produtor do mundo, atrás do Brasil; e Indonésia (+134,9%).

Ferreira salienta que as compras dos dois países asiáticos ampliaram para completar a demanda, devido às quebras de safra. Já os mexicanos importam nossos cafés verdes para processamento industrial voltado ao consumo interno e a importantes reexportações, principalmente de café solúvel.

Cafés diferenciados
Os cafés que possuem qualidade superior ou certificados de práticas sustentáveis responderam por 17,8% das exportações totais brasileiras do produto no acumulado de 2023, esse volume representa aumento de 4% frente ao registrado entre janeiro e dezembro de 2022.

O presidente afirma que o país tem trabalhado para atender as demandas dos países mais exigentes, assim o produtor é mais bem remunerado e o comprador se sente mais confortável.

Portos
O Porto de Santos (SP) foi o principal exportador dos cafés do Brasil em 2023, com o embarque de 28,157 milhões de sacas, o que representa 71,7% do total. Na sequência, aparece o complexo marítimo do Rio de Janeiro, que responde por 24,3% das exportações ao ter remetido 9,545 milhões de sacas, e o Porto de Paranaguá (PR), com a exportação de 521.102 sacas e representatividade de 1,3%.

O diretor técnico do Cecafé, Eduardo Heron acentuou a necessidade de aumentar a capacidade portuária. Em relação à tensão no Mar Vermelho, Eduardo afirma que não houve um impacto substancial nos últimos dois meses.

O relatório completo das exportações dos cafés do Brasil em 2023 está disponível no site do Cecafé: https://www.cecafe.com.br/.

Revista Cafeicultura, com informações do Cecafé

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Leite - AEN - Conexão Agro
Coluna 189 - crise da bovinocultura leiteira e geleia de pitaya em feira do Canadá
17/04/2024

Governo do Estado e setor privado discutem soluções para a crise da bovinocultura leiteira diante da importação de países do Mercosul. Destaque também para a geleia de pitaya de produtores paranaenses que será apresentada em feira no Canadá.

 

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário