quarta-feira, 24 de abril de 2024

Soja
Soja orgânica aumenta o rendimento de produtores de Jardim Alegre
19/02/2024
A produção do estado é estimada em 19,2 milhões de toneladas, segundo o Deral (Departamento de Economia Rural)
Por: Redação
soja orgânica jardim Alegre conexão agro
Em Jardim Alegre, quatro agricultores do Assentamento 8 de Abril estão produzindo soja sem usar agrotóxico
Divulgação/IDR-PR
Tags: soja orgânica
O Paraná está colhendo mais uma safra de soja. A produção do estado é estimada em 19,2 milhões de toneladas, segundo o Deral (Departamento de Economia Rural), da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento. A grande parte deste volume trata-se de grãos colhidos em plantios convencionais ou produzidos a partir de sementes transgênicas. No entanto, uma pequena parte de agricultores está apostando no plantio orgânico para aumentar a sua remuneração. A soja orgânica é destinada à alimentação humana, bem como à fabricação de ração para animais criados no sistema orgânico. Para os agricultores, o grão orgânico pode significar um ganho 30% maior que a soja convencional.

No município de Jardim Alegre, região de Ivaiporã, quatro agricultores do Assentamento 8 de Abril estão produzindo soja sem usar agrotóxico. Para tanto, eles contam com a assistência técnica do IDR-Paraná. O extensionista Luiz Carlos de Castro, do IDR-Paraná de Faxinal, acompanha os plantios. Ele informou que a produção orgânica envolve a adoção de diversas práticas. “Os produtores do assentamento usaram sementes da variedade BRS 539, da Embrapa. É uma variedade convencional que tem a tecnologia block que aumenta a tolerância ao ataque de percevejos e a Shield que confere resistência às plantas contra a ferrugem asiática”, explicou. Além disso, o extensionista acrescentou que os cultivos foram adubados com a cama de frango peletizada e o yoorin, um fertilizante fosfatado.

Colheita em andamento

O plantio orgânico exige outros cuidados. Os agricultores também fizeram barreiras físicas em volta das lavouras, com o capim napier para evitar a contaminação com agrotóxicos de outras lavouras. O controle de pragas e doenças foi feito com o MIP (Manejo Integrado de Pragas) e MID (Manejo Integrado de Doenças). Castro observou que neste ano não apareceu lagarta nas lavouras e o percevejo foi controlado com a soltura de vespinhas nas áreas cultivadas. O cuidado vai além do plantio e manejo das lavouras. Durante a colheita são feitos o controle e limpeza de caminhões e colheitadeiras que entram nas propriedades, a fim de evitar a contaminação.

Em Jardim Alegre as primeiras áreas foram plantadas em outubro e sofreram um pouco com a estiagem de dezembro. Essas lavouras começaram a ser colhidas e a produtividade alcançada tem sido de 50 sacas/ha, muito próximo da média regional que é de 60 sacas/ha. Já as lavouras plantadas em novembro, cuja colheita deve ocorrer até o fim deste mês, devem alcançar a produtividade média da região.

Mercado

Toda a produção de soja orgânica dos produtores de Jardim Alegre, cerca de 500 sacas, já foi negociada com uma empresa de São Paulo que produz ovos orgânicos. Neste ano, em função das chuvas, os agricultores usaram herbicidas antes do plantio. Em razão disso, a soja não tem a certificação de produto orgânico. Ainda assim, os agricultores vão receber como remuneração um preço 10% superior ao praticado na praça de Avaré-SP. A empresa também se comprometeu a cobrir os custos com o frete. Se todo o processo fosse orgânico, o preço seria 30% maior que o valor da soja convencional. Castro informou que os agricultores de Jardim Alegre devem buscar a certificação de produto orgânico para a soja produzida no assentamento no próximo plantio. “A perspectiva é de que a soja seja totalmente orgânica já que os agricultores têm um projeto de produzir ovos orgânicos. Eles vão precisar de soja e milho para alimentar as aves”, destacou. Castro informou ainda que os produtores da vizinhança estão acompanhando o desempenho da soja orgânica no mercado. “É bem possível que a área aumente. Primeiro porque tem muito agricultor querendo plantar orgânico e segundo porque o melhor preço da produção sem agrotóxico também é um incentivo”, concluiu o extensionista.

No site do Ministério da Agricultura e da Agropecuária é possível identificar o registro de vinte produtores certificados de soja orgânica no Paraná, além de quatro empresas que fazem o processamento de produtos de soja orgânica. Informações de duas das mais tradicionais empresas deste segmento dão uma ideia do mercado para a soja orgânica. A Gebana adquire a produção de 16 produtores certificados que são acompanhados pela empresa. Eles cultivam uma área de 1.052 hetares no estado e a produção estimada é de 3.780 toneladas nesta safra. A Biorgânica tem cadastrados dez produtores, que mantêm uma área de 129 hectares. Segundo a empresa, a produção deve ficar em torno de 464 toneladas de soja livre de agrotóxico e semente transgênica.

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Leite - AEN - Conexão Agro
Coluna 189 - crise da bovinocultura leiteira e geleia de pitaya em feira do Canadá
17/04/2024

Governo do Estado e setor privado discutem soluções para a crise da bovinocultura leiteira diante da importação de países do Mercosul. Destaque também para a geleia de pitaya de produtores paranaenses que será apresentada em feira no Canadá.

 

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário