sexta-feira, 14 de junho de 2024

Notícias

Nova técnica permite reprodução em larga escala de bambu

Tags: bambu, embrapa, pesquisa, tecnologia

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (DF) acaba de desenvolver um protocolo que permite a produção de centenas de mudas de bambu a partir de um único propágulo. A técnica para obter esse resultado é a micropropagação vegetativa, que garante não somente a multiplicação em escala, mas também a sobrevivência da nova plantinha na aclimatização, além de outras vantagens.

Por meio da micropropagação vegetativa em laboratório, o produtor pode obter, dependendo da espécie, em apenas seis meses, de 200 a 500 mudas, todas oriundas de um só propágulo (parte da planta capaz de multiplicá-la ou propagá-la vegetativamente).

Desse modo, são mantidas as características da planta utilizada como fonte. No sistema convencional, feito a partir do corte de parte da planta para fazer as estacas, a produção é considerada mais onerosa, pela necessidade de maior espaço físico e as taxas de formação de mudas serem mais baixas. Para que a muda seja aproveitada ela deve apresentar as partes aérea e radicular bem desenvolvidas.

“É muito tempo para quem precisa de material propagativo”, comenta o pesquisador Jonny Scherwinski-Pereira (foto à direita), da Embrapa, responsável pelo desenvolvimento do novo protocolo. Ele explica que a produção de mudas também pode ser feita a partir de sementes. Porém, como o processo de floração dos bambus é desconhecido em boa parte das vezes, com espaços de tempo quase sempre muito longos entre os ciclos, espera-se muito, o que torna o uso desse tipo de material praticamente inviável para produzir mudas. “Para se ter uma ideia, em nossas pesquisas, verificamos que uma espécie de bambu do Cerrado floresceu em um intervalo de, aproximadamente, sete anos”, exemplifica o cientista.

O pesquisador conta também que as mudas feitas a partir de estacas correm o risco de perdas por diferentes motivos – como a formação incompleta da muda e a morte no transplante. Até a época do ano pode ser um fator influenciador nas respostas. Segundo ele, os processos convencionais são mais apropriados para aqueles que necessitam de pouca quantidade de mudas. “O problema é para se obter grandes quantidades. Imagine produzir estacas de bambu para 100 hectares. Com estacas, a produção será onerosa: vai necessitar de espaço físico, de tempo e de maior mão de obra. Na produção em laboratório o espaço físico é relativamente pequeno, as mudas têm um desenvolvimento homogêneo em campo e, por serem feitas em laboratório, a época do ano e as condições do dia a dia pouco influenciam nessa produção”, comenta o pesquisador.

Vantagens da micropropagação vegetativa:

● Possibilidade de produzir maior quantidade de mudas.

● Mudas com melhor qualidade.

● Menor tempo para produção de mudas.

● Necessidade de espaço físico relativamente pequeno para a produção.

● Técnica que pode ser usada para a produção de mudas, independentemente da época do ano.

Como funciona a técnica

A produção de mudas de bambu em laboratório tem início com a introdução de um pequeno propágulo contendo pelo menos uma gema de crescimento em um meio de cultura artificial, sob ambiente de luz e temperatura controlados.

Após algumas poucas semanas, esse propágulo brota e, a partir dessa nova brotação, um ciclo de várias multiplicações é feito até que se obtenha o número necessário de mudas.

Depois desse período, que pode variar de um a vários meses, a depender da quantidade de mudas que se quer produzir, as plantas formadas em laboratório são levadas para casas de vegetação ou viveiros, onde são plantadas em substrato para continuarem seu crescimento.

A técnica de multiplicar plantas in vitro já é bastante conhecida e, a partir dela, várias espécies têm sido multiplicadas comercialmente, como é o caso da bananeira, da batata, do morangueiro, entre outras. No entanto, para o bambu ainda são poucas as informações de que laboratórios comerciais produzem mudas sob essas condições, o que parece ser um importante mercado a ser explorado em futuro próximo.

Pereira diz que a produção por esse método pode ser realizada por pequenos ou grandes produtores, biofábricas, ou mesmo viveiristas que já possuem estrutura ou estiverem dispostos a montar uma estrutura para a produção de mudas em laboratório.

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia oferece um curso anual sobre aplicações teóricas e práticas da técnica, que pode ser utilizada não somente para o bambu, mas para diversas outras espécies. Ainda de acordo com o pesquisador, o protocolo para a produção de mudas de bambu em laboratório foi desenvolvido para responder à alta demanda pelo setor produtivo.

Os interessados na técnica podem entrar em contato pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) da Embrapa: [email protected].

Fonte: Embrapa

 

Banner Conexão Agro Anúncio 728x90

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Coluna Conexão Agro Rádio UEL Sucessão Familiar - Conexão Agro
196 - Planejamento sucessório pode evitar disputas por herança
12/06/2024

Planejamento sucessório é estratégia crucial para prevenir disputas relacionadas à herança de propriedades rurais. Confira na Coluna Conexão Agro desta semana

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário