domingo, 16 de junho de 2024

Destaques

Novo sistema de cultivo de erva-mate pode produzir até dez vezes mais que o tradicional

Tags: cultivo, embrapa, erva-mate, inovação

Um novo sistema de cultivo de erva-mate, desenvolvido pela Embrapa Florestas (PR), permite até dez colheitas em 18 meses, ou seja, nove a mais do que o tradicionalmente utilizado na cultura, que é de apenas uma no mesmo período. Denominado de Cevad-estufa, apresenta também potencial para o desenvolvimento de novos produtos, principalmente diferentes tipos de chás a partir de folhas jovens das plantas, cultivadas em canaletas dentro de estufas, como pequenos arbustos. O sistema ainda vai passar por validação junto a produtores rurais, mas os resultados são promissores e podem contribuir para elevar a erva-mate a um patamar superior no mercado de chás e outros produtos de maior valor agregado, além de ampliar a sua comercialização no Brasil e no mundo.

Segundo o pesquisador Ivar Wendling, o Cevad-estufa é voltado para a colheita de folhas jovens e não das maduras, tradicionalmente utilizadas na produção de chimarrão, por exemplo. Assim como já se produz o chá-preto, chá-verde e chá branco a partir da Camellia sinensis, que utiliza folhas e processos distintos, será possível fazer isso também com as folhas da erva-mate (Ilex paraguariensis) e gerar chás com sabores diferenciados e maiores concentrações de cafeína e antioxidantes. Tudo isso ainda poderá ser potencializado com o uso de cultivares melhoradas de erva-mate, previstas para serem lançadas em até três anos pela Embrapa Florestas.

Alta produtividade e velocidade de produção

No Cevad-estufa, as erveiras são alocadas em estufa, dispostas em linhas, em canteiros suspensos contendo areia devidamente preparada para este fim. O espaçamento entre elas é de 15 cm x 15 cm, e as plantas atingem de 15 cm a 30 cm de altura. A cada 30 a 90 dias, novas brotações surgem, podendo ser colhidas para a elaboração de chás ou para a extração de compostos como a cafeína e antioxidantes, por exemplo, que se encontram em maior concentração nas folhas jovens. O novo sistema permite que sejam alocadas mais de 300 mil plantas de erva-mate em um hectare, enquanto no sistema de produção em campo, são instaladas 2.200 plantas por hectare.

“A cada 60 dias, em média, é possível coletar novas brotações e folhas. Resultados mostraram que é possível produzir em um ano até 90 toneladas de biomassa por hectare no novo sistema, enquanto a média da produtividade brasileira de erva-mate é de 7,5 toneladas por ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)”, afirma o pesquisador. “Não são formas de plantio que competem entre si. Cada uma tem um objetivo e formas diferenciadas de condução”, ressalta Wendling.

Custos de Implantação

A adoção do Cevad-estufa, que difere totalmente do cultivo a campo, demandará maiores custos para a implantação, já que envolve investimentos com as instalações da estufa, canaletões, aquisição de grande quantidade de mudas, assistência técnica e mão de obra especializada para o manejo, além de fertilizantes para uma solução nutritiva adequada. “Apesar do custo inicial, o sistema tem um grande potencial de produtividade, além da geração de matéria-prima diferenciada. Com essas vantagens, prevê-se que o investimento da implantação se pague com o tempo e gere um bom retorno econômico”, diz o pesquisador. “Além disso, apresenta um maior potencial de automação”, acrescenta.

>>> Mais informações, clique AQUI.

Fonte: Embrapa

 

Banner Conexão Agro Anúncio 728x90

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Coluna Conexão Agro Rádio UEL Sucessão Familiar - Conexão Agro
196 - Planejamento sucessório pode evitar disputas por herança
12/06/2024

Planejamento sucessório é estratégia crucial para prevenir disputas relacionadas à herança de propriedades rurais. Confira na Coluna Conexão Agro desta semana

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário