quarta-feira, 19 de junho de 2024

Destaques

Pesquisa indica benefícios de bioinsumos para cultura do alho

Tags: alho, bioinsumos, ciência, UFV

Uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de Viçosa (UFV) gerou tecnologias de aplicação de dois bioinsumos para melhorar a produção de alho, na região do Alto Paranaíba. O trabalho é fruto da primeira tese defendida no Programa de Pós-Graduação Multicêntrico em Química de Minas Gerais (PPGMQ-MG), campus Rio Paranaíba. O PPGMQ foi criado em 2014, envolvendo oito instituições de ensino superior em Minas Gerais. Em 2016, a UFV passou a integrar o Programa com a participação de professores dos três campi.

Embora seja típica de regiões mais frias, a cultura do alho é importante para a economia de Minas Gerais, sobretudo para a região do Alto Paranaíba. O problema é que o clima tropical faz com que a planta prolongue a fase vegetativa, atrasando a formação do bulbo e continuando a emitir folhas. O autor do trabalho, Vinícius Nasser, explica que se trata de um problema fisiológico, que prejudica a qualidade do bulbo, gerando formatos que desagradam o mercado consumidor e com rachaduras que podem causar doenças nele. O tratamento é limitado ao manejo de irrigação no período de bulbificação, que ainda pode ser comprometido quando chove nessa época. “Temos pesquisas que relatam que o uso de herbicidas pode reduzir essa anomalia, mas não há produtos registrados para este fim e é muito comum haver perdas de qualidade e produtividade da cultura”.

Em sua tese, orientada pelo professor Geraldo Humberto Silva, do campus de Rio Paranaíba, Vinícius pesquisou o uso de bioinsumos para ajudar a resolver o problema. Esses produtos biológicos podem ser fabricados com materiais vegetais, animais ou microbianos. O pesquisador obteve excelentes resultados com dois bioinsumos já conhecidos, mas ainda não utilizados na cultura do alho. O primeiro é um metabólito produzido por fungos e leveduras. O produto mostrou-se capaz de melhorar o desenvolvimento das plantas na fase inicial da cultura, aumentando a produção e melhorando a qualidade de bulbos comercias. O segundo é obtido a partir do óleo essencial extraído de material vegetal, que reduziu significativamente a presença de superbrotamento nas plantas tratadas.

Vinícius esclarece ainda que, além de identificar os compostos promissores, os experimentos geraram formulações adequadas e manejo correto para uso na cultura do alho. “Nosso trabalho também comprova que os bioinsumos podem ser amplamente usados nesta cultura, o que é uma novidade. O uso desses produtos naturais vem se destacando e ganhando espaço no campo da agricultura, por serem menos nocivos ao meio ambiente e partirem de uma fonte sustentável e renovável”. Ainda segundo o pesquisador, o objetivo agora é pedir o registro de duas patentes pela formulação e indicação de uso correto. Por isso, a tese, aprovada no final de dezembro, ainda não será publicada.

Fonte: UFV

 

Banner Conexão Agro Anúncio 728x90

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Podcast

Coluna Podcast

Coluna 197 - IAT conclui adequações na regulamentação da suinocultura
19/06/2024

Coluna Conexão Agro na UEL FM destaca a proposta de adequações na regulamentação da suinocultura no Paraná preparada pelo IAT e o novo Plano Safra, que será anunciado na próxima semana

Cotações

Resumo Técnico fornecido por Investing.com Brasil.

News Letter

Calendário

Calendário